Cardio da Vida
Procurar
Close this search box.
Procurar
Close this search box.

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA

O que é a insuficiência cardíaca?

O funcionamento normal do coração permite manter o sangue em circulação, fazendo com o que o oxigénio e os nutrientes cheguem a todo o organismo. Adicionalmente, a circulação do sangue, assegurada pelo batimento do coração, permite extrair dos tecidos resíduos e toxinas que são eliminados do nosso organismo. Quando, por algum motivo, o coração deixa de funcionar corretamente, a circulação de sangue fica comprometida e pode surgir insuficiência cardíaca.

A insuficiência cardíaca é uma doença em que o coração não consegue funcionar de forma adequada para responder às necessidades de irrigação sanguínea do organismo. Inicialmente, a insuficiência cardíaca manifesta-se quando fazemos esforço físico, pois é nestas alturas que se exige mais do coração, mas com o evoluir da doença, mesmo em repouso, o coração pode não ser capaz de satisfazer as necessidades do organismo.

A insuficiência cardíaca é frequente?

Sim, é uma doença frequente!

  • Estima-se que em Portugal cerca de meio milhão de portugueses sofram de insuficiência cardíaca.
  • Pelo menos 1 em cada 5 pessoas com mais de 75 anos sofre de insuficiência cardíaca. No entanto,  surge frequentemente em pessoas mais jovens, em particular quando existem outras doenças cardíacas e /ou fatores de risco associados.
  • Em pessoas com mais de 65 anos, a insuficiência cardíaca é a principal causa de internamento hospitalar.
  • Quando não é devidamente diagnosticada e tratada, a insuficiência cardíaca é uma doença grave e pode ser mais fatal do que vários tipos de cancro.

O QUE PROVOCA INSUFICIÊNCIA CARDÍACA?

Existem várias causas de insuficiência cardíaca, mas todas elas têm algo em comum:
levam a uma lesão do músculo cardíaco, que se torna incapaz de exercer a sua função
de forma adequada.

As causas mais comuns de insuficiência cardíaca são:

– Doenças das artérias coronárias (exemplo: enfarte agudo do miocárdio)

– Doenças das válvulas cardíacas (exemplo: estenose aórtica)

– Arritmias cardíacas (exemplo: fibrilhação auricular)

Hipertensão arterial grave e persistente

– Doenças do músculo cardíaco (exemplo: miocardiopatia hipertrófica)

Doenças congénitas do coração

QUAIS OS SINTOMAS DA INSUFICIÊNCIA CARDÍACA?

Quando o coração deixa de funcionar de forma adequada, os sintomas começam por surgir quando realizamos esforços físico, e depois em repouso. Assim, inicialmente, o sintoma mais habitual é o cansaço para esforços que anteriormente fazíamos sem dificuldade. À medida que a doença avança, o cansaço vai sendo maior para esforços cada vez mais pequenos e começam a surgir outros sintomas, tais como falta de ar, em particular quando estamos deitados (sinal de líquido nos pulmões) e as pernas podem inchar, em especial ao fim do dia. Outros sintomas possíveis são a tosse persistente, tonturas, desmaios, palpitações (sensação do coração acelerado), perda de apetite e distensão abdominal.

Numa fase inicial, a insuficiência cardíaca pode passar despercebida e ser uma doença silenciosa. Por vezes, os sintomas são apenas muito ligeiros. Por outro lado, e dependendo das pessoas, os sintomas podem variar e surgir com várias combinações!

COMO FAZER O DIAGNÓSTICO DE INSUFICIÊNCIA CARDÍACA?

Caso tenha algum dos sintomas referidos ou uma doença cardíaca e suspeite que pode ter insuficiência cardíaca deve procurar o seu médico, para que possa ser avaliado e, se for necessário, realizar os testes de diagnóstico.

Conforme referido, os sintomas e os sinais podem ser diferentes em cada pessoa, pelo que após realizar uma história clínica detalhada, complementada com um exame físico, que deve incluir a medição da pressão arterial, a auscultação atenta do coração e pulmões, entre outros, o seu médico poderá requisitar exames complementares para o diagnóstico da insuficiência cardíaca.

Entre os exames habitualmente solicitados, incluem-se análises, com doseamento de um marcador cardíaco designado de BNP ou proBNP, eletrocardiograma e ecocardiograma.

EXISTEM VÁRIOS TIPOS DE
INSUFICIÊNCIA CARDÍACA?

Dependendo da sua forma de apresentação, isto é, se o início dos sintomas é súbito ou de instalação progressiva, a insuficiência cardíaca pode ser classificada como aguda ou crónica. Contudo, é frequente estas duas formas alternarem entre elas, isto é, a insuficiência cardíaca aguda evoluir para um estado crónico, da mesma forma que a insuficiência cardíaca crónica pode agudizar e descompensar subitamente.

Por outro lado, é possível que o seu médico classifique a insuficiência cardíaca num dos dois grupos seguintes:

- Insuficiência cardíaca com fração de ejeção diminuída

- Insuficiência cardíaca com fração de ejeção preservada

A diferença entre estes dois grupos depende da força contrátil do coração, que no primeiro caso está diminuída e no segundo conservada. No segundo caso, a insuficiência cardíaca está mais relacionada com défices do relaxamento do músculo cardíaco.

Ambas as formas de insuficiência cardíaca são graves e se manifestam com os mesmos sintomas, mas o tratamento de cada uma das delas é ligeiramente diferente. Por isso, será de esperar que o médico use esta classificação no diagnóstico da doença.

A INSUFICIÊNCIA CARDÍACA TEM TRATAMENTO?

Apesar de ser uma doença grave, a insuficiência cardíaca pode ser controlada e as complicações minimizadas. Habitualmente, a insuficiência cardíaca não tem cura, mas com o tratamento é possível controlar ou até fazer desaparecer os sintomas, possibilitando uma vida normal. O mais importante é fazer o diagnóstico precoce e cumprir o tratamento, para que a doença não progrida, evitando internamentos e outras complicações graves.

O tratamento inclui quase sempre um dos medicamentos dos seguintes grupos:

Estes medicamentos constituem a base do tratamento da insuficiência cardíaca e permitem minimizar os sintomas e evitar a progressão da doença. Além destes, existem outros medicamentos que são usados de forma individualizada e que podem ajudar no controlo da doença.

Em casos selecionados, pode ser necessário recorrer a dispositivos cardíacos implantados (ex.: pacemaker ou cardioversor-desfibrilhador), a cateterismo cardíaco e/ou cirurgia cardíaca.

QUAL O PROGNÓSTICO DA INSUFICIÊNCIA CARDÍACA?

Atualmente, e porque temos disponíveis tratamentos que permitem evitar a progressão da doença, é possível evitar complicações e ter uma vida longa.

No entanto, muitos dos doentes com insuficiência cardíaca veem a sua qualidade de vida diminuída, consequência dos sintomas que limitam as atividades do dia a dia.

Se foi diagnosticado com insuficiência cardíaca é importante que cumpra as seguintes regras:

– Mantenha as consultas regulares com o seu médico.

– Cumpra rigorosamente a medicação prescrita.

– Adote um estilo de vida saudável, nomeadamente: mantenha o peso ideal, não beba álcool e pratique exercício físico regular!

Atualmente e porque temos disponíveis tratamentos que permitem evitar a progressão da doença, é possível evitar complicações e ter uma vida longa.

No entanto, muitos dos doentes com insuficiência cardíaca veem a sua qualidade de vida diminuída, consequência dos sintomas que limitam as atividades do dia a dia.

Se foi diagnosticado com insuficiência cardíaca é importante que cumpra as seguintes regras:

– Mantenha as consultas regulares com o seu médico

– Cumpra rigorosamente a medicação prescrita

– Mantenha um estilo de vida saudável, nomeadamente mantenha o peso ideal, não beba álcool e pratique exercício físico regular!

É verdade, para além da medicação, um estilo de vida saudável é decisivo não só na prevenção, bem como no tratamento da insuficiência cardíaca. Os doentes com insuficiência cardíaca podem beneficiar de programas de reabilitação, que incluem atividade física, alimentação equilibrada e manutenção do peso ideal.

FAÇA O SEU REGISTO E NÃO PERCA AS NOVIDADES

Assine a newsletter e receba mensalmente sugestões de artigos e insights dos especialistas do Cardio da Vida!
Caso não encontre o nosso email, por favor, verifique a sua caixa de spam ou de lixo eletrónico.