Cardio da Vida
Procurar
Close this search box.
Procurar
Close this search box.

CARDIOMIOPATIA HIPERTRÓFICA

A cardiomiopatia hipertrófica é uma doença genética que provoca um crescimento e espessamento anormal do músculo cardíaco.

Relativamente frequente, a miocardiopatia hipertrófica afeta 1 em cada 500 pessoas, sendo que a maioria não apresenta sintomas, podendo desconhecer que a tem.

Nos doentes que desenvolvem sintomas, o mais frequente é a dor no peito, o cansaço, as palpitações e eventualmente desmaios.  Alguns doentes podem ter arritmias potencialmente fatais e até ocorrer morte súbita. Numa fase mais avançada, a cardiomiopatia hipertrófica, pode também levar a  insuficiência cardíaca.

O diagnóstico pode ser realizado com recurso a exames simples, tais como o eletrocardiograma e o ecocardiograma. Quando a miocardiopatia hipertrófica é confirmada ou existe uma elevada suspeita, é necessário realizar uma investigação mais detalhada, incluindo monitorização eletrocardiográfica prolongada (Holter ou registador de eventos) e ressonância cardíaca, entre outros exames.  Adicionalmente, sempre que existe o diagnóstico de cardiomiopatia hipertrófica, todos os familiares de primeiro grau devem fazer o devido rastreio, já que a doença tem transmissão genética.

A cardiomiopatia hipertrófica é uma doença crónica, que carece de vigilância regular e necessita de medicação para controlar eventuais sintomas. Em alguns casos, quando é identificado risco de arritmias e de morte súbita, o médico pode recomendar a colocação de um cardioversor-desfibrilhador implantável. Alguns doentes também podem beneficiar de cirurgia ou de tratamentos realizados por cateterismo.

A maioria dos doentes com cardiomiopatia hipertrófica não tem complicações e pode levar uma vida normal. No entanto, o desporto de elevada intensidade e/ou de competição é geralmente desaconselhado. É fundamental manter um estilo de vida saudável, manter o peso ideal e controlar os fatores de risco cardiovascular, para evitar complicações graves.

A miocardiopatia hipertrófica é uma doença genética que provoca um crescimento e espessamento anormal do músculo cardíaco.

Relativamente frequente, a miocardiopatia hipertrófica afeta 1 em cada 500 pessoas, sendo que a maioria não apresenta sintomas, podendo desconhecer que a tem.

Nos doentes que desenvolvem sintomas, o mais frequente é a dor no peito, o cansaço, as palpitações e eventualmente desmaios.  Alguns doentes podem ter arritmias potencialmente fatais e até ocorrer morte súbita. Numa fase mais avançada, a miocardiopatia hipertrófica, pode também levar a  insuficiência cardíaca.

O diagnóstico pode ser realizado com recurso a exames simples, tais como o eletrocardiograma e o ecocardiograma. Quando a miocardiopatia hipertrófica é confirmada ou existe uma elevada suspeita, é necessário realizar uma investigação mais detalhada, incluindo monitorização eletrocardiográfica prolongada (Holter ou registador de eventos) e ressonância cardíaca, entre outros exames. Adicionalmente, sempre que existe o diagnóstico de miocardiopatia hipertrófica, todos os familiares de primeiro grau devem fazer o devido rastreio, já que a doença tem transmissão genética.

A miocardiopatia hipertrófica é uma doença crónica, que carece de vigilância regular e necessita de medicação para controlar eventuais sintomas. Em alguns casos, quando é identificado risco de arritmias e de morte súbita, o médico pode recomendar a colocação de um cardioversor-desfibrilhador implantável. Alguns doentes também podem beneficiar de cirurgia ou de tratamentos realizados por cateterismo.

A maioria dos doentes com miocardiopatia hipertrófica não tem complicações e pode levar uma vida normal. No entanto, o desporto de elevada intensidade e/ou de competição é geralmente desaconselhado. É fundamental manter um estilo de vida saudável, manter o peso ideal e controlar os fatores de risco cardiovascular, para evitar complicações graves.

FAÇA O SEU REGISTO E NÃO PERCA AS NOVIDADES

Assine a newsletter e receba mensalmente sugestões de artigos e insights dos especialistas do Cardio da Vida!
Caso não encontre o nosso email, por favor, verifique a sua caixa de spam ou de lixo eletrónico.