QUER SABER O SEGREDO PARA SE MANTER JOVEM?

Artigo de Ricardo Escada - Fisiologista do Exercício
31 mai 2022

A procura da juventude tem sido alvo de estudos, uns mais científicos e com maior rigor, outros nem por isso, mas não é preciso uma investigação profunda para reconhecermos que a evolução científica proporcionou avanços no tratamento médico e sanitários, mais informação sobre saúde e bem-estar e o acesso a recursos alimentares.

Estas mudanças, e outras, têm, de facto, aumentado a esperança média de vida e expandido o tempo da “terceira idade”. Mas, apesar disso, será possível mantermo-nos mais jovens por mais tempo?

Não negamos que com o avançar da idade ocorrem algumas alterações no nosso corpo, sendo uma delas a sarcopenia, isto é, perda de massa muscular.

No entanto, a atividade física é uma oportunidade de atrasar os efeitos da idade e pode manter-nos jovens, saudáveis e produtivos por mais tempo.

Num estudo de Casper S, et al (2022), os investigadores concluíram que indivíduos com 68 anos ou mais que foram fisicamente ativos ao longo da vida apresentaram um envelhecimento muscular mais saudável e mais resistente à fadiga comparativamente com indivíduos inativos.

Por isso, manter-se fisicamente ativo através de tarefas diárias mais físicas, como limpar a casa, caminhar até ao café, brincar com os netos e/ou realizar exercício físico (por exemplo, uma caminhada, uma aula de natação, um treino no ginásio) pode manter os músculos mais saudáveis devido à regeneração do tecido muscular, combatendo assim a deterioração.

A mensagem mais importante deste estudo é que mexer-se um pouco mais parece ajudar no combate ao declínio da função muscular relacionado com a idade.

Esta é uma descoberta encorajadora e que pode estimular mais pessoas a envolverem-se numa atividade física de que gostem.

Num estudo de Casper S, et al (2022), os investigadores concluíram que indivíduos com 68 anos ou mais que foram fisicamente ativos ao longo da vida apresentaram um envelhecimento muscular mais saudável e mais resistente à fadiga comparativamente com indivíduos inativos.

Por isso, manter-se fisicamente ativo através de tarefas diárias mais físicas, como limpar a casa, caminhar até ao café, brincar com os netos e/ou realizar exercício físico (por exemplo, uma caminhada, uma aula de natação, um treino no ginásio) pode manter os músculos mais saudáveis devido à regeneração do tecido muscular, combatendo assim a deterioração.

A mensagem mais importante deste estudo é que mexer-se um pouco mais parece ajudar no combate ao declínio da função muscular relacionado com a idade.

Esta é uma descoberta encorajadora e que pode estimular mais pessoas a envolverem-se numa atividade física de que gostem.

Artigo de Ricardo Escada - Fisiologista do exercício

Gosto muito do que faço, faz parte do que sou! Mas também adoro partilhar momentos com a família e amigos. E viajar… adoro viajar. Mas para desfrutar ao máximo desses momentos há uma coisa que é preciso, Saúde! Para isso, acredito no equilíbrio entre o exercício, a alimentação, o descanso e a socialização para um bem-estar pleno.

MAIS ARTIGOS DO SEU INTERESSE: