Cardio da Vida
Procurar
Close this search box.
Procurar
Close this search box.

Tem Hipertensão Arterial? Qual o melhor exercício físico para si?

Artigo de Ricardo Escada - Fisiologista do Exercício
00 dez 2023

A hipertensão arterial é uma das cinco principais causas de mortalidade em todo o mundo, representando 9,4 milhões das mortes relacionadas com doenças cardíacas e a Organização Mundial da Saúde prevê um aumento de 1,56 bilhões de mortes até 2025.

A prevalência da hipertensão é bastante alta, e altos são também os custos económicos associados ao tratamento farmacológico que, apesar de ser seguro, apenas é eficaz no controlo de 50% dos doentes.

As atuais diretrizes nacionais e internacionais para a prevenção da hipertensão arterial recomendam mudanças no estilo de vida, nomeadamente cessação do tabagismo, perda de peso, exercício físico e alimentação saudável, como terapêutica de primeira linha.

Quanto ao exercício físico, as recomendações para os adultos obterem benefícios na saúde passam por realizar 150 a 300 minutos de atividade física e/ou exercício por semana, de intensidade moderada. Para crianças em idade pré-escolar (dos 3 aos 5 anos) recomenda-se 180 minutos por dia de atividade física e/ou exercício de todas as intensidades (leve, moderada e vigorosa). Para crianças e jovens em idade escolar (dos 6 aos 17 anos) recomenda-se 60 minutos atividade física e/ou exercício diária de intensidade moderada a vigorosa.

Mas, que tipo de exercício tem um maior impacto no controlo da pressão arterial?

qual exercicios tem maior impacto

Para responder a esta questão, analisámos duas revisões sistemáticas que tiveram como objetivo analisar o impacto de vários tipos de exercício nos valores da pressão arterial em adultos. Na revisão sistemática de Inder, C., et al (2016) foram analisados 11 estudos, totalizando 302 participantes, para perceber os efeitos do exercício isométrico na pressão arterial em adultos saudáveis.

Os estudos demonstraram uma redução significativa nos valores da pressão arterial após uma intervenção de pelo menos duas semanas, nomeadamente:


– redução da pressão arterial sistólica (-4,49 mm Hg) e pressão arterial diastólica (-2,53 mm Hg) em repouso após o treino aeróbio;


– redução da pressão arterial sistólica (-4,55 mm Hg) e pressão arterial diastólica (-3,04 mm Hg) em repouso após o treino de força;


– redução da pressão arterial sistólica (-6,04 mm Hg) e pressão arterial diastólica (-2,54 mm Hg) em repouso após o treino combinado (aeróbio + força);


– redução da pressão arterial sistólica (-4,08 mm Hg) e pressão arterial diastólica (-2,50 mm Hg) em repouso após o treino de alta intensidade;


– redução da pressão arterial sistólica (-8,24 mm Hg) e pressão arterial diastólica (-4,00 mm Hg) em repouso após o treino de isométrico;


treino isometrico

O treino isométrico consiste na contração muscular contra uma carga ou resistência imóvel, ou seja, sem que haja alterações do comprimento das fibras musculares (ex.: empurrar uma parede ou fazer uma prancha).

Análises recentes apontam que exercícios isométricos podem provocar reduções dos valores tensionais maiores comparativamente com outro tipo de treino.

Esta sugestão é corroborada por outra revisão sistemática mais recente de Edwards, J., et al (2023), que incluiu 270 estudos, totalizando uma amostra de 15 827 participantes. Todos os estudos apresentaram reduções nos valores tensionais da pressão sistólica e pressão diastólica após uma intervenção de 2 semanas, ou mais, de exercício. Apesar de os estudos demonstrarem que todos os tipos de treino (treino aeróbio, treino de força, treino combinado, treino de alta intensidade) são eficazes na redução dos valores tensionais, parece que o treino isométrico é o que melhor resultados produz!

Concluímos que um treino isométrico pode ser uma estratégia viável e complementar para a redução dos valores da pressão arterial sistólica e diastólica em doentes hipertensos. É um tipo de treino acessível, que não requer grandes equipamentos e que pode ser realizado em qualquer lugar!
Referências:
1. Amponsem-Boateng C, et al. (2019). A cross-sectional study of risk factors and hypertension among adolescent Senior High School students. Diabetes, Metabolic Syndrome and Obesity: Targets and Therapy, Volume 12, 1173– 1180;
2. Edwards, J et al. (2023). Exercise training and resting blood pressure: a large-scale pairwise and network meta-analysis of randomised controlled trials..British Journal of Sports Medicine Published Online First: 25 July 2023; 3. Inder, JD et al. (2016). Isometric exercise training for blood pressure management: A systematic review and meta-analysis to optimize benefit..Hypertension Research, 39(2), 88–94. h;
4. Millar, P.J, et al. (2014). Evidence for the Role of Isometric Exercise Training in Reducing Blood Pressure: Potential Mechanisms and Future Directions..Sports Medicine, 44(3), 345–356;
5. Oppert, J et al. (2021). Exercise training in the management of overweight and obesity in adults: Synthesis of the evidence and recommendations from the European Association for the Study of Obesity Physical Activity Working Group. Obesity Reviews, 22(S4);
6.U.S. Department of Health and Human Services. Physical Activity Guidelines for Americans, 2nd edition. Washington, DC: U.S. Department of Health and Human Services; 2018;

FAÇA O SEU REGISTO E NÃO PERCA AS NOVIDADES

Assine a newsletter e receba mensalmente sugestões de artigos e insights dos especialistas do Cardio da Vida!
Caso não encontre o nosso email, por favor, verifique a sua caixa de spam ou de lixo eletrónico.